Revolutionary Road - o filme



"- Didn't have to be Paris...
- You just wanted out hein?
- I want IN. I just wanted us to live again. For years, I thought we've shared this secret that we would be wonderful in the world. I don't know exactly how, but just the possibility kept me hoping. How pathetic is that? So stupid. To put all your hopes in a promise that was never made. Frank knows what he wants, he found his place, he's just fine. Married, two kids, it should be enough. It is for him. And he's right; we were never special for destined for anything at all. "
(...)
"- I saw a whole other future. Can't stop seeing it. Can't leave. Can't stay."






Só hoje é que o vi. Agora percebo porque ficaste abananada, porque eu também fiquei, e ainda agora não consigo respirar como antes. Como desperdiçar a vida crendo numa promessa, em algo que parece que está lá, mas não está; ou que já esteve e partiu, vai dar ao mesmo. Onde é que se arrumam os sonhos, e os filmes que fazemos, onde é que se encaixam as memórias, os sentimentos que temos? (Deviam ter-se mudado para Paris)

1 nomades:

vanda a dit…
28/8/10 02:07

Amiga, nem sei o que te responder. Lembrar-me desse filme agora em vésperas de regressar à pátria emigra é demasiada emoção para mim. Continuo abananada e a Nina Simone não ajuda. Paris fez e faz de mim brava e quando me mandei para lá com vinte anos tinha mais sonhos e genica e muito mais certezas que hoje. Hoje tenho mais reservas, mas também mais paz e agilidade para tocar a vida para a frente. Vamos lá ver como corre esta viagem. Mais uma desta vida nómada.
Aquele abraço muffinha

Back to Home Back to Top Nomadismes. Theme ligneous by pure-essence.net. Bloggerized by Chica Blogger.